Os primeiros sinais e sintomas, estágios e tratamento do câncer cerebral

O câncer cerebral é uma neoplasia intracraniana que se desenvolve em qualquer parte do cérebro e se manifesta pelas seguintes síndromes clínicas: alterações mentais, sintomas neurológicos focais, convulsões epilépticas e sintomas cerebrais. A gravidade de cada síndrome depende do estágio e do tamanho do tumor.

O cancro 1 grau de um cérebro praticamente não se exprime. A velocidade do desenvolvimento dos sintomas depende do tipo de tumor - glioblastoma, meningioma ou astrocitoma - cada um se desenvolve à sua maneira.

Os primeiros sinais são sintomas cerebrais. Estes são sinais não específicos pelos quais é impossível determinar a presença de câncer: sintomas cerebrais manifestados em acidente vascular cerebral, encefalite, influenza.

  • Dor de cabeça Um tumor é um tumor em massa. Aumentando, a pressão dentro do crânio aumenta. Isso leva à síndrome hipertensiva. Características de dor de cabeça: dor, latejante, forte. A cefaléia é difícil de eliminar com analgésicos não narcóticos (paracetamol, ibuprofeno, diclofenaco).
  • Vômito Não está relacionado à ingestão de alimentos, pois possui um mecanismo central. Por causa do aumento da pressão intracraniana, os centros eméticos do mesencéfalo ficam irritados. A irritação débil manifesta-se pela náusea, grave - por vômito. Por causa da alta pressão intracraniana, o paciente pode arrancar olhando para comida ou água. O reflexo de vômito também funciona quando qualquer objeto entra na boca, especialmente na raiz da língua.
  • Tontura. A síndrome hipertensiva leva à pressão no cerebelo. A atividade do sistema vestibular é interrompida, o que provoca tontura, que é acompanhada por movimentos oculares involuntários (nistagmo).

Além disso, o câncer cerebral nos estágios iniciais se manifesta com sintomas inespecíficos:

  1. distúrbio do sono
  2. perda de apetite
  3. labilidade emocional, irritabilidade, flashes de agressão,
  4. distraído, perda de memória e capacidade de trabalho.

Para tais sintomas, o câncer cerebral em um estágio inicial não pode ser determinado sem métodos instrumentais. Muitas vezes o paciente refere-se a envenenamento, fadiga ou estresse.

Os sintomas neurológicos focais, as crises epilépticas e os transtornos mentais no estágio inicial quase não aparecem ou aparecem ocasionalmente.

É possível reconhecer o estágio inicial com a ajuda de neuroimagem - computador e ressonância magnética. As imagens mostrarão o foco.

Quando o paciente aprende o diagnóstico, ele terá os estágios clássicos de lidar com o estresse:

  • Estágio de choque O diagnóstico de câncer introduz o paciente em um estupor.
  • Estágio de negação. O paciente está tentando tirar a informação da consciência como se fosse um pesadelo ou uma piada cruel.
  • Estágio de agressão. Uma pessoa culpa a si e aos outros pela sua doença. A culpa é empurrada para fora pela agressão em si mesmo, parentes e amigos.
  • Estágio de depressão. A consciência da realidade do diagnóstico e a incapacidade de culpar a si mesmo ou a um ente querido pela doença leva o paciente a um estado de depressão.
  • Estágio de aceitação O paciente tolera o “destino”, aceita a doença como o curso natural da vida.

A duração de cada estágio é determinada pela maturidade pessoal, pelo trabalho com um psicoterapeuta e pelo apoio psicológico dos entes queridos. Os parentes devem ser ajudados pelo paciente: o resultado do câncer depende em parte disso. Quanto mais rápido o paciente chega ao estágio de adoção, mais fácil é para o paciente tolerar os estágios 2,3 e 4 do câncer.

O crescimento do tumor no segundo estágio é manifestado por sintomas cerebrais e sintomas neurológicos focais.

Os sintomas de deficiência focal são completamente dependentes da localização do tumor. No entanto, apesar da localização do tumor, os sintomas neurológicos são divididos nos seguintes grupos:

  1. Sensibilidade prejudicada. Aparece quando o câncer está localizado principalmente na região parietal. A síndrome se manifesta por uma diminuição da percepção tátil, da dor ou da temperatura. Um caso interessante: se o tumor está na área do lobo parietal direito, o paciente não sente o esquema do lado esquerdo do corpo.
  2. Comprometimento da memória Ocorre se o câncer está localizado no sistema límbico ou no córtex temporal. Memória de curto e longo prazo violada.
  3. Diminuição da força muscular A localização de uma neoplasia determina os seguintes tipos de distúrbios da força muscular: hemiplegia, monoplegia, diplegia ou tetraplegia.
  4. Violação da percepção e a formação da fala. A afasia ocorre se o câncer estiver localizado na parte superior do córtex temporal ou no giro frontal inferior.
  5. Perda de habilidades de escrita, leitura e contagem aritmética.
  6. Violação da regulação vegetativa. Manifestado por flutuações na pressão arterial, sudorese, falta de ar, tontura.

O terceiro estágio é a continuação suave do segundo. O quadro clínico está crescendo, a qualidade de vida do paciente diminui. Isso o força a recorrer a um neurologista ou terapeuta. Como antes, a clínica consiste em sintomas neurológicos cerebrais e focais.

No terceiro estágio, convulsões epilépticas podem ocorrer. Isso ajuda o médico a determinar o diagnóstico e encaminhar o paciente para uma tomografia computadorizada do cérebro. Se não houver convulsões epilépticas, o diagnóstico é difícil.

O estágio final do câncer cerebral é o manifesto do quadro clínico. Inclui sintomas cerebrais, sinais neurológicos focais, convulsões epilépticas e distúrbios mentais. Vomitar no cancro cerebral 4 graus aparece de uma substância irritante simples - uma olhada em comida ou bebida.

A localização de um tumor no córtex temporal ou occipital causa alucinações. Geralmente, essas são perversões simples da percepção - fotópsias ou akoasms. O paciente vê flashes de luz ou sons individuais lembrando o som de folhas de árvores ou de um motor de motocicleta.

A localização de um tumor no lobo frontal provoca mudanças na personalidade e na esfera emocional-volitiva. O intelecto, a memória diminui, a atenção se dissipa. Mudanças na esfera mental dependem do hemisfério no qual o tumor cresceu.

Se este é o lobo frontal esquerdo, surgem desordens predominantemente psicóticas do tipo de perseguição, dano ou ciúme. Com a derrota do lobo frontal direito surge principalmente apatia, achatamento emocional, motivação reduzida. Tais pacientes não querem fazer nada, não estão interessados ​​no mundo ao seu redor, seus antigos hobbies e hobbies são perdidos, o desejo de curar é perdido.

O estágio terminal, além dos transtornos psicóticos e de personalidade, é acompanhado por distúrbios neuróticos. Há depressão, ansiedade, agressão, comportamento suicida.

O tratamento do estágio 4 do câncer cerebral ocorre no serviço de cuidados paliativos. O hospício é um curso médico que ajuda pessoas com doenças terminais. A tarefa dos especialistas é garantir uma morte tranquila para os pacientes e minimizar o sofrimento através da introdução de analgésicos narcóticos.

No hospício, a ênfase é na relação paciente-psicoterapeuta. A tarefa deste último é garantir a aceitação do paciente da doença e ajudar parentes a sobreviver à perda.

Quantos pacientes com câncer no cérebro vivem? O prognóstico depende do estágio em que o diagnóstico é feito. Deste modo, este tumor diagnosticou-se na etapa 1-2, a esperança de vida média de pacientes - 4-5 anos. Quando diagnosticado no estágio 3-4 - 1-2 anos.

O prognóstico também depende do tipo de tumor. No glioblastoma, a forma mais agressiva de neoplasia cerebral, a expectativa média de vida é de 6 meses a 1,5 anos.

Como morrer - a morte vem de várias razões:

  1. Caquexia Este é um forte esgotamento do corpo, no qual os recursos de adaptação e reserva estão completamente esgotados. O peso do paciente é criticamente reduzido, fraqueza severa e desidratação são observadas. Todos os processos fisiológicos são extintos.
  2. Síndrome de deslocamento. Devido à pressão mecânica e à hipertensão intracraniana, o tronco cerebral é deslocado. O viés agudo danifica o tronco cerebral, responsável pelo ato respiratório, pelo batimento cardíaco e pelo tônus ​​vascular. A princípio, isso se manifesta como um tipo patológico de Cheyne-Stokes ou Biota, no qual os atos respiratórios se alternam com 30 segundos de apneia. A derrota do centro que regula a atividade cardiovascular acompanha-se de uma violação de ritmo, uma redução na pressão de sangue. Como resultado, o sangue não é primeiro saturado com oxigênio, o dióxido de carbono se acumula e, em seguida, deixa de balançar através dos vasos do corpo.

Causas de câncer no cérebro

As causas de tumores cerebrais não foram estudadas o suficiente - em 5-10% do câncer é desencadeado por patologias hereditárias de genes, tumores secundários ocorrem quando a metástase se espalha no câncer de outros órgãos.

As seguintes causas de câncer no cérebro podem ser identificadas:

Doenças genéticas como síndrome de Gorlin, doença de Bourneville, síndrome de Li-Fraumeni, esclerose tuberculosa e distúrbios do gene APC podem causar câncer no cérebro.

O estado enfraquecido de imunidade, que pode ser observado após um transplante de órgãos com AIDS, aumenta a probabilidade de câncer no cérebro e outros órgãos.

O câncer cerebral é mais comum em mulheres que em homens. A exceção é meningiomas - neoplasias da membrana aracnóide do cérebro. A raça também desempenha um papel importante - as pessoas brancas são mais propensas a sofrer da doença do que os membros de outras raças.

A exposição a radiações e carcinógenos também acarreta um risco oncogênico e é um fator de risco para o desenvolvimento de câncer cerebral. O grupo de risco inclui pessoas envolvidas em indústrias perigosas, por exemplo, na indústria de plásticos industriais.

O câncer cerebral é mais comum em adultos, o risco de neoplasias malignas aumenta com a idade e a doença é mais difícil de tratar. As crianças também correm o risco de desenvolver câncer, mas locais típicos de localização de tumores são diferentes: por exemplo, em adultos, o câncer afeta mais frequentemente o revestimento do cérebro, enquanto em pacientes mais jovens o cerebelo ou o tronco cerebral sofre. Em 10% dos cânceres cerebrais em adultos, o tumor afeta a glândula pineal e a glândula pituitária.

Os tumores secundários são o resultado de outros processos oncológicos no corpo - metástases entram no crânio através do sistema circulatório e dão origem a uma neoplasia maligna no cérebro. Esses tumores são freqüentemente encontrados no câncer de mama e em outros tipos de câncer.

Os primeiros sinais de câncer no cérebro

Nos tumores cerebrais, os sintomas são de dois tipos: focal e cerebral. O cerebral é característico de todos os casos de câncer cerebral, enquanto que o focal depende da localização do tumor.

Os sintomas focais podem ser muito diversos, o seu tipo e gravidade dependem da parte do cérebro que afetou as doenças e funções pelas quais é responsável - memória, fala oral e escrita, contagem, etc.

Entre os sintomas focais de câncer no cérebro são distinguidos:

Comprometimento parcial ou total da mobilidade de certas partes do corpo, comprometimento da sensibilidade das extremidades, percepção distorcida da temperatura e outros fatores externos,

Mudanças relacionadas à personalidade - a natureza do paciente está mudando, uma pessoa pode se tornar irritada e irritável, ou, ao contrário, muito calma e indiferente a tudo que o incomodou antes. A letargia, apatia, tontura em tomar decisões importantes que afetam a vida, ações impulsivas - tudo isso pode ser um sinal de distúrbios mentais decorrentes do câncer no cérebro.

Perda de controle sobre a função da bexiga, dificuldade em urinar.

Todos os tumores cerebrais são caracterizados por sintomas comuns associados a um aumento da pressão intracraniana, bem como o efeito mecânico do tumor em vários centros do cérebro:

A tontura, a perda de equilíbrio, a sensação de que a terra está escorregando sob seus pés - ocorrem espontaneamente, são um sintoma importante que requer pesquisa diagnóstica,

Dor na cabeça - muitas vezes embotada e arqueada, mas pode ter um caráter diferente, geralmente ocorrer de manhã antes da primeira refeição, bem como à noite ou após o estresse emocional, agravado pelo esforço físico,

Vômito - aparece de manhã ou ocorre incontrolavelmente com uma mudança súbita na posição da cabeça. Pode aparecer sem náusea, não associada a refeições. Com vômitos intensivos, há um risco de desidratação do corpo, por causa do qual o paciente é forçado a tomar drogas que bloqueiam a estimulação dos receptores correspondentes.

Outros sintomas de câncer no cérebro

Os sintomas do câncer no cérebro, que já aparecem nos estágios finais:

Perda parcial ou total da visão, "moscas" diante dos olhos é um sintoma desencadeado pela pressão de um tumor no nervo óptico, que, na ausência de tratamento oportuno, pode levar à sua morte. Será impossível restaurar a visão.

Espremer o nervo auditivo por um tumor faz com que o paciente sofra perda auditiva.

Crises epilépticas que ocorrem repentinamente em jovens são um sinal perigoso que deve ser imediatamente encaminhado a um médico. Caracterizado pelo segundo e último estágio do câncer cerebral.

Os distúrbios hormonais são frequentemente observados em tumores adenomatosos do tecido glandular, que são capazes de produzir hormônios. A sintomatologia ao mesmo tempo pode ser o mais vário, bem como em outras doenças unidas com a violação do equilíbrio hormonal.

Lesões do tronco cerebral são caracterizadas por função respiratória prejudicada, deglutição, olfato, paladar e visão são distorcidas. Apesar de toda a gravidade dos sintomas, que podem reduzir significativamente a qualidade de vida e tornar a pessoa impraticável e precária, os danos cerebrais podem ser pequenos e benignos. Mas mesmo pequenos tumores nessa área podem levar a sérias conseqüências, o deslocamento das estruturas cerebrais, e é por isso que há necessidade de intervenção cirúrgica.

Tumores na área temporal do cérebro se manifestam por alucinações visuais e auditivas, tumores na região occipital são caracterizados por percepção de cor prejudicada.

Diagnóstico de câncer cerebral

Os tipos de diagnósticos de câncer no cérebro incluem:

Exame pessoal por um médico. Durante o exame inicial, o médico pede ao paciente para realizar uma série de tarefas que permitem determinar a falta de coordenação, funções táteis e motoras: elas tocam o nariz com os olhos fechados, dão vários passos logo após girar em torno de si. Um neurologista verifica o reflexo do tendão.

A ressonância magnética com contraste é prescrita na presença de anormalidades, o que permite detectar câncer no cérebro em um estágio inicial, determinar a localização do tumor e desenvolver um plano de tratamento ideal.

Punção do tecido cerebral permite determinar a presença de células anormais, o grau de alterações nos tecidos, para determinar o estágio do processo oncológico. No entanto, a biópsia tecidual nem sempre é possível devido à localização inacessível do tumor, portanto essa análise é mais frequentemente realizada quando uma neoplasia maligna é removida.

Radiografia - permite determinar a presença e localização do tumor nos vasos sanguíneos exibidos na imagem, para os quais o paciente é previamente administrado com um agente de contraste.Craniografia permite determinar mudanças na estrutura óssea do crânio, camadas anormais de cálcio, provocadas pelo processo oncológico.

Após o exame diagnóstico, o médico faz um regime de tratamento individual.

Estágios do câncer cerebral

Devido ao curso quase assintomático da doença, é difícil determinar com precisão o estágio do câncer, especialmente porque a transição de um estágio para outro ocorre rápida e inesperadamente. Especialmente para cânceres no tronco cerebral. Determinar com precisão o estágio da doença somente após a morte, portanto, as menores manifestações da patologia devem ser tratadas cuidadosamente desde os primeiros dias - nos estágios finais, o câncer não é passível de tratamento cirúrgico, respondendo mal aos medicamentos e outras terapias.

Estágio 1 de câncer no cérebro

No primeiro estágio do câncer, um pequeno número de células é afetado, e o tratamento cirúrgico é mais bem sucedido com uma probabilidade mínima de recorrência. Entretanto, é muito difícil detectar oncogênese nesse estágio - os sintomas são característicos de várias outras doenças, portanto, o câncer só pode ser detectado com diagnósticos especiais. O primeiro estágio do câncer é caracterizado por fraqueza e sonolência, dores recorrentes na cabeça e tontura. Com tais sintomas, eles raramente vão ao médico, pois são atribuídos ao enfraquecimento do sistema imunológico devido à mudança climática ou a doenças crônicas.

Estágio 2 de câncer cerebral

A transição do processo canceroso para o segundo estágio é acompanhada pelo crescimento de um tumor, que captura tecidos próximos e começa a comprimir os centros cerebrais. Sintomas perigosos são convulsões e convulsões. Além disso, o paciente pode experimentar distúrbios da função digestiva - problemas com evacuações e vômitos periódicos. Nesta fase, o tumor ainda é operável, mas as chances de uma cura completa são reduzidas.

Estágio 3 de câncer cerebral

O terceiro estágio do câncer cerebral é caracterizado pelo rápido crescimento do tumor, a degeneração maligna das células afeta os tecidos saudáveis, o que torna quase impossível a remoção cirúrgica de um tumor. No entanto, o tratamento cirúrgico pode dar bons resultados se o tumor estiver localizado no lobo temporal.

Sintomas do terceiro estágio do câncer cerebral - os sintomas do segundo estágio aumentam, deficiências auditivas, visuais e da fala tornam-se mais pronunciadas, o paciente tem problemas com a seleção, “lembrar” as palavras, é difícil para ele se concentrar, a atenção é dissipada e a memória é perturbada. As extremidades estão dormentes, há formigamento, a mobilidade dos braços e pernas é perturbada. Na posição ereta e ao caminhar, torna-se quase impossível manter o equilíbrio devido à função prejudicada do aparelho vestibular. Um sintoma característico para o terceiro estágio - o nistagmo horizontal - o paciente tem pupilas em movimento, mesmo que a cabeça permaneça estacionária, o paciente não percebe isso.

Estágio 4 de câncer cerebral

No quarto estágio do câncer, o tratamento cirúrgico não é realizado, uma vez que o tumor afeta as partes vitais do cérebro. Técnicas paliativas, radioterapia, terapia medicamentosa com o objetivo de reduzir o sofrimento do paciente com a ajuda de fortes analgésicos são usadas. O prognóstico é decepcionante, mas depende muito do estado do sistema imunológico do paciente e de seu estado emocional. Os sintomas de câncer no cérebro nesta fase estão associados à perda de funções vitais básicas quando o processo maligno se espalha para as partes correspondentes do cérebro. Com baixa efetividade do tratamento, o paciente entra em coma, do qual não sai mais.

Quantos vivem com câncer no cérebro?

Para prever o desenvolvimento da doença e avaliar o estado de saúde dos pacientes com câncer cerebral, use o conceito de "sobrevida de cinco anos". Avaliaram pessoas que foram diagnosticadas com a doença, independentemente do curso do tratamento que recebem. Alguns pacientes após a terapia bem sucedida vivem mais de cinco anos, outros têm que se submeter constantemente a procedimentos terapêuticos.

Em média, a taxa de sobrevivência de pacientes com neoplasias no cérebro é de 35%. Para tumores cerebrais malignos, a maioria dos quais são gliomas, a taxa de sobrevivência é de cerca de 5%.

Tratamento do Câncer Cerebral

O tratamento do câncer cerebral requer a interação de diferentes especialistas - um oncologista, um terapeuta, um neuropatologista, um neurocirurgião, um radiologista e um reabilitologista. O diagnóstico da doença geralmente começa com uma visita ao clínico geral ou neuropatologista, de onde o paciente é encaminhado a outros especialistas para exame adicional.

O plano de tratamento adicional depende da idade do paciente (o tratamento do câncer no grupo etário mais jovem de 0 a 19 anos, o do meio e o mais antigo difere). Além disso, ao elaborar um curso de tratamento, eles levam em conta o estado geral de saúde do paciente, o tipo de tumor e sua localização.

Radioterapia, radioterapia e cirurgia são usados ​​no tratamento de tumores cerebrais oncogênicos. A operação para remover um tumor é o método mais confiável, mas nem sempre é possível realizá-lo por causa da localização inacessível do tumor. A intervenção cirúrgica raramente é realizada no terceiro e quarto estágios do câncer, pois acarreta grandes riscos e não dá o resultado desejado - nesse estágio do desenvolvimento da doença, o tumor afeta partes vitais do cérebro, está profundamente envolvido em tecidos saudáveis ​​e sua remoção completa é impossível.

Tratamento cirúrgico

A remoção cirúrgica de uma neoplasia é um método eficaz para tratar o câncer cerebral em seus estágios iniciais, especialmente quando se trata de tumores benignos. Cirurgia, neste caso, é diferente de operações abdominais, em que o cirurgião pode capturar alguns dos tecidos circundantes para evitar a propagação do câncer.

Durante a cirurgia no cérebro, é preciso observar a máxima precisão - um milímetro extra de tecido danificado durante os procedimentos cirúrgicos pode custar uma função vital a uma pessoa. É por isso que nos estágios terminais do câncer, o tratamento cirúrgico é ineficaz - é impossível remover completamente o tumor, o processo patológico se espalha ainda mais. As técnicas paliativas podem reduzir a pressão que um tumor tem nas áreas vizinhas, enquanto o tratamento medicamentoso, a radioterapia e a quimioterapia retardam o crescimento da neoplasia.

No primeiro e segundo estágio do câncer, quando um tumor benigno é removido, os sintomas da doença são completamente eliminados. Portanto, com o diagnóstico oportuno, as projeções do paciente são favoráveis. Em caso de localização inacessível do tumor, a cirurgia requer pesquisa adicional para determinar com precisão a localização do tumor. Um médico realiza uma biópsia de tecido para classificar o tumor e determinar o estágio do câncer.

Para reduzir os danos nos tecidos que podem ocorrer durante a operação, aplique técnicas modernas - radiocirurgia estereostática. Esta é uma operação cirúrgica durante a qual a entrega de radiação de raios gama de alta precisão ou irradiação de raios-X em altas doses é fornecida a fim de destruir o tumor. Ao mesmo tempo, os tecidos saudáveis ​​são minimamente afetados ou permanecem intactos. A possibilidade de aplicar a técnica depende da localização e tamanho do tumor. Esse tratamento é o menos traumático para o paciente, reduz o período de reabilitação e minimiza o risco de complicações após a cirurgia.

A terapia conservadora ou medicamentosa é realizada antes da operação e inclui:

Anticonvulsivantes - reduzem os sintomas do segundo e dos últimos estágios do câncer, reduz a probabilidade de uma crise epiléptica,

Os medicamentos anti-inflamatórios esteróides deste grupo aliviam o inchaço dos tecidos tumorais, o que reduz a pressão mecânica em áreas saudáveis, um remédio comum é a dexametasona,

A fim de reduzir a pressão intracraniana, pode ser necessária uma operação de manobra, cujo objetivo é remover o excesso de líquido cefalorraquidiano, cuja descarga é prejudicada devido à compressão do LCR pelo tumor. A retirada do líquido através do cateter no processo de derivação ventrículo-peritoneal é conectada através do tubo de plástico do ventrículo lateral à cavidade abdominal.

Radioterapia

A radioterapia de tumores cancerosos é usada em dois casos: se a cirurgia for contraindicada para um paciente por motivos de saúde ou após a remoção do tumor para prevenir a recaída. A remoção cirúrgica de um tumor é ineficaz nos estágios avançados do câncer cerebral, então a radioterapia é usada como o principal método de tratamento. A presença de doenças crônicas concomitantes, patologias do sistema cardiovascular pode ser uma contraindicação para intervenção cirúrgica. Em outros casos, a radioterapia pode ser usada para destruir células anormais que podem desencadear um processo de câncer após o tumor ter sido removido cirurgicamente.

O especialista prescreve a dose de radiação individualmente, a exposição é realizada localmente para minimizar danos aos tecidos adjacentes ao tumor. Para radioterapia, é importante considerar o tipo de tumor, sua localização e o tamanho do tumor. Dois métodos da terapia radioativa aplicam-se:

Braquiterapia é realizada durante o tratamento hospitalar, uma substância radioativa é injetada no tecido do tumor, que destrói a partir do interior. A dose do grão injetado é calculada de tal forma que o tumor é destruído, mas os tecidos saudáveis ​​permanecem intactos.

A radioterapia externa é realizada com um curso de várias semanas, durante as quais o paciente é irradiado com altas doses de radiação por vários minutos. As sessões são realizadas cinco dias por semana, você só pode visitar o hospital na hora marcada e, em seguida, o paciente vai para casa.

Quimioterapia

A quimioterapia não é usada como o principal método de tratamento do câncer, devido ao fato de que seu impacto não afeta apenas os tecidos do tumor, mas afeta o corpo como um todo. O regime de tratamento é um médico, incluindo drogas de um determinado grupo - antimetabólitos, drogas do grupo alquilante, antibióticos sintéticos, etc. O tratamento é realizado em um curso de vários ciclos, entre os quais é necessário fazer pausas. Os medicamentos são tomados por via oral ou injetados ou através de uma derivação de bebidas alcoólicas. Após três ou quatro ciclos, eles fazem uma pausa para avaliar a eficácia da terapia.

O perigo da quimioterapia reside no seu impacto negativo nos órgãos formadores do sangue e no epitélio do trato digestivo.

Tratamento endoscópico

A intervenção cirúrgica endoscópica é menos traumática do que os métodos tradicionais de neurocirurgia, pois é realizada com equipamentos especiais sem incisões amplas. No decurso de uma operação convencional no cérebro, o acesso é realizado pela trepanação, durante a qual o crânio é aberto, o que prejudica ainda mais o paciente, prolongando o período do período de reabilitação. As técnicas endoscópicas minimizam os danos aos nervos e aos menores vasos sanguíneos, o que é especialmente importante quando se trabalha com tecidos cerebrais. Assim, as operações endoscópicas são usadas para tratar a hidrocefalia em crianças, causada pela estagnação do fluido nos ventrículos do cérebro, tal operação é chamada de ventruloscopia. O adenoma hipofisário também pode ser removido por métodos endoscópicos, através da introdução de instrumentos endoscópicos através da endoscopia transnasal do nariz.

A cirurgia endoscópica também é usada para lesões cerebrais traumáticas, remoção de cistos e hematomas.

O câncer no cérebro pode ser curado?

A oncologia cerebral é a mais difícil no tratamento, uma vez que a qualidade da informação recebida do humano e da informação humana depende das células nervosas dos grandes hemisférios e das conexões entre eles. Simplificando, tentando destruir as células cancerígenas, é fácil tocar as saudáveis, e quando localizadas no cérebro, isso significa um alto risco de perda de memória, inteligência, comunicação entre vários órgãos e músculos.

A esse respeito, os neurocirurgiões estão refinando, desenvolvendo novos métodos de intervenção microscópica para reduzir esse risco, mas, enquanto isso, cientistas japoneses descobriram um meio alternativo de lidar com o câncer e outras doenças. No Japão, o controle de qualidade dos cuidados médicos está em um nível muito alto, portanto, qualquer meio de tratamento é rigorosamente testado.

A medicina alternativa no Japão não é uma maneira de lucrar com pacientes ingênuos e confiantes em um impasse, mas uma tentativa de provar na prática que tudo é engenhoso e simples, e até mesmo doenças complexas podem ser superadas com a ajuda dos recursos do próprio corpo humano.

Já há 10 anos, testes da ação do hidrogênio atômico em humanos foram iniciados no Japão com o objetivo de criar um dispositivo médico universal. Em 2011, os experimentos começaram no Instituto de Doenças de Câncer de Osaka, na cidade de Osaka, o que confirmou a alta eficácia do efeito terapêutico do hidrogênio em várias doenças, incluindo câncer no cérebro e até metástase.

Claro, a velocidade do tratamento com hidrogênio atômico é incomparável com a cirurgia, mas como resultado de experimentos, cientistas descobriram que em 5 meses de procedimentos regulares um tumor no cérebro pode encolher para um tamanho insignificante e remover completamente mais, como evidenciado por raios X e imagens de ressonância magnética claramente demonstradas .

A tecnologia pela qual a terapia é realizada baseia-se no método experimental soviético de tratamento de doenças virais e bacterianas aquecendo o corpo a uma temperatura de 41-42 graus para isolar uma proteína especial de choque térmico (eng. Heat Shock Protein), que ajuda os assassinos T a encontrar um tumor canceroso. e outras mudanças no corpo. Uma desvantagem significativa deste método, devido a que todo o trabalho foi interrompido, é o alto risco de desnaturação das proteínas vitais. Os japoneses usam não apenas água quente, mas também hidrogênio atômico, que é liberado durante a eletrólise da água.

Combinando o chamado "hidrogênio ativo" com hipertermia artificial, é possível aquecer o corpo do paciente a 41,5-41,9 ° C sem quaisquer consequências para a saúde. Além disso, tal procedimento pode ser realizado com um paciente idoso, em contraste com o banho de aquecimento soviético. Isso é muito importante, já que a maioria dos pacientes com oncologia são as próprias pessoas.

Um dispositivo feito para esse procedimento no Japão é uma cadeira confortável, fechada em uma banheira alta. O paciente se senta em uma cadeira, na água do banho é retirado do ORP -560 mV. A água aquece gradualmente. O paciente, dependendo da gravidade do tumor, idade e outros parâmetros, é atribuído o tempo gasto em tal célula (até 20 minutos).

Esse tipo de descanso ainda está disponível apenas para os japoneses em uma clínica especializada, então aqui vale a pena mencionar cápsulas de spa especiais que ativam a água até -150-200 mV e deixam seu corpo saudável em casa.

Palestra de Yuri Andreevich Frolov: ufrolov.blog

Educação: Ele se formou na residência no "Russian Oncological Center Scientific nomeado. N. N. Blokhin "e recebeu um diploma em" Oncologista "

Histologia

Características histológicas, estruturais, características do curso da doença nos permitem distinguir dois grupos de neoplasmas: benignos e malignos.

Os tumores benignos não são capazes de se dividir, crescem lentamente, não penetram em outros tecidos. Em sua estrutura eles se assemelham àquelas células das quais eles se originaram, parcialmente retêm suas funções. Tais tumores podem ser removidos por cirurgia, com recidiva ocorrendo muito raramente. No entanto, neoplasias benignas no cérebro são muito perigosas. Elas levam ao esmagamento dos vasos sangüíneos, ao aparecimento de edema e à estagnação do sangue venoso, enquanto sua localização nem sempre permite removê-los.

As neoplasias malignas consistem em células que se dividem muito rapidamente. Os tumores estão crescendo rapidamente, formando ao mesmo tempo focos inteiros e penetrando nos tecidos adjacentes. Na maioria das vezes, os tumores malignos não têm limites claros. Eles são difíceis de tratar, incluindo cirurgia, e são propensos a recaída.

Localização permite que você fale sobre 3 tipos de tumores. Intracerebral encontrado na substância do cérebro. Cerebral aparecem na membrana e nos tecidos nervosos. Intraventricular - nos ventrículos cerebrais.

No diagnóstico e na determinação de doenças de acordo com a CID-10, as doenças também são diferenciadas dependendo da localização exata do tumor, por exemplo, nos lobos frontais, no cerebelo.

Tumores primários aparecem como resultado de mudanças que ocorrem no cérebro. Eles afetam os ossos do crânio, substância cinzenta, vasos sanguíneos. Entre os tumores primários, existem várias subespécies:

  1. Astrocitoma. As células do cérebro sofrem mutações - astrócitos. Um tumor é um tipo de glioma, geralmente benigno.
  2. Meduloblastoma. É outro tipo de glioma. Neoplasmas aparecem na fossa craniana posterior, crescem como resultado da mutação de células embrionárias. Este tumor é responsável por 20% de todos os danos cerebrais. Muitas vezes, ocorre em crianças de diferentes idades, desde bebês até adolescentes.
  3. Oligodendroglioma. Os oligodendrócitos sofrem alterações.
  4. Gliomas mistos. A mutação ocorre em astrócitos e oligodendrócitos. Esta forma é encontrada em 50% dos tumores primários.
  5. Meningiomas. As células mudam. Mais frequentemente é benigno, mas também pode ser maligno.
  6. Linfomas A doença ocorre nos vasos linfáticos do cérebro.
  7. Adenomas hipofisários. Associado a danos na glândula pituitária, desenvolve-se predominantemente em mulheres. Em casos raros, eles podem ser malignos.
  8. Ependimoma As células envolvidas na síntese da alteração do líquido cefalorraquidiano.

Neoplasias secundárias manifestam metástases de outros órgãos.

As razões exatas por que o câncer cerebral ocorre e se desenvolve não foram estabelecidas. Somente fatores altamente prováveis ​​de contribuir para sua aparência são identificados.

Segundo as estatísticas, a hereditariedade desempenha um grande papel. Se houve uma pessoa na família que foi atingida por um câncer, provavelmente na próxima geração ou em uma geração haverá outra pessoa que será vítima dessa doença.

O segundo fator importante e frequente é uma longa permanência na zona de radiação. Trabalhar com elementos químicos, como chumbo, mercúrio, cloreto de vinila, uso a longo prazo de drogas tem um impacto negativo. Fumar, uso de drogas, álcool, produtos geneticamente modificados leva à mutação de células saudáveis. Muitas vezes, os ferimentos na cabeça tornam-se um fator causador de oncologia.

Segundo as estatísticas, um tumor cerebral ocorre frequentemente em pessoas com mais de 65 anos, homens, crianças em idade pré-escolar ou primária. Ela afeta aqueles que passam muito tempo com um telefone celular, dorme com ele, usa o dispositivo com uma carga baixa. Células cancerosas muitas vezes aparecem após transplantes de órgãos ou usando quimioterapia para remover tumores em outras partes do corpo.

Sinais de um tumor cerebral estágios iniciais podem ser confundidos com sintomas de outras patologias, como concussão ou acidente vascular cerebral. Às vezes, eles são confundidos com sinais de doenças dos órgãos internos. Uma característica que aponta para a oncologia é que esses sintomas iniciais não desaparecem e sua intensidade está aumentando constantemente. Apenas em fases posteriores aparecem sintomas específicos, indicando o provável aparecimento de câncer no cérebro.

O risco de neoplasia maligna no cérebro aumenta em:

  1. Representantes do macho Bola.
  2. Pequenos pacientes com menos de 8 anos de idade.
  3. Pessoas após 65 anos.
  4. Aqueles que dormem com um celular perto da cabeça.
  5. Liquidatários da tragédia na usina nuclear de Chernobyl.
  6. Pacientes que sobreviveram a um transplante de órgãos internos.
  7. Quimioterapia como tratamento para um tumor, independentemente de sua localização.


Como não perder os sinais de câncer no cérebro

Como mencionado anteriormente, os sinais de câncer também podem se sobrepor às manifestações, como acidente vascular cerebral, enxaqueca ou concussão. Então, se um ou dois deles aparecerem e desaparecerem depois de um curto período de tempo, isso não pode ser considerado um sinal da presença de um tumor. Mas, se surgirem alguns sintomas, e vários outros se juntarem a eles, você deve consultar imediatamente um médico para um exame de diagnóstico.

Sintomas comuns de um tumor cerebral maligno:

  1. Um dos sinais mais proeminentes é uma dor de cabeça, que se torna mais aguda por qualquer esforço físico. Mas, a propósito, na metade de pacientes com câncer, no início, é completamente ausente.
  2. A tontura também pode ser um sintoma de uma neoplasia se ocorrer independentemente da posição do paciente e não desaparecer por muito tempo. Por via de regra, deve-se a modificações na glândula pituitária ou um aumento induzido pelo tumor na pressão intracraniana.
  3. A sensação de "vatnost" nas articulações e membros também é comum. Na fase inicial, esse sintoma geralmente se manifesta como fraqueza, mas com o desenvolvimento da doença, pode-se observar paresia parcial ou paralisia dos membros.
  4. A deficiência visual também pode ser considerada como um câncer acompanhante do cérebro. Neste caso, eles se manifestam na forma de manchas, moscas flutuando diante dos olhos e também na dor do nervo óptico. Muitas vezes, o nistagmo do globo ocular pode ocorrer em um estágio inicial.
  5. Problemas auditivos também devem alertar. Eles ocorrem como zumbido ou surdez unilateral inexplicada.

Para todos os itens acima, você pode adicionar mudanças irracionais no pulso, quedas de pressão, palidez ou a aparência de pontos fortes na pele, além de sudorese.

Manifestações neurológicas do câncer

Os primeiros sinais de câncer no cérebro podem manifestar-se como distúrbios neurológicos e mentais, manifestados pela apatia, que pode ser substituída por euforia de curto prazo, agressões não razoáveis ​​e lapsos de memória. Frequentemente se juntam a confusão de consciência, perturbações de orientação no tempo e no espaço, várias manifestações de mudanças de personalidade, bem como alucinações visuais ou auditivas.

E com a derrota das partes profundas do cérebro, pode-se encontrar rapidamente sinais crescentes de desorganização completa da atividade mental humana.

Como as lesões aparecem em diferentes lobos cerebrais

Sinais de câncer cerebral se manifestam de maneira diferente, dependendo de qual parte é afetada. Se o tumor afeta a glândula pituitária ou o tronco, isso geralmente causa uma coordenação deficiente. A capacidade de se concentrar visivelmente diminui, além disso, o paciente pode ter uma visão dupla clara diante de seus olhos. Outro dos sinais é a incapacidade de determinar a distância ao objeto e a instabilidade da marcha.

Em alguns casos, o câncer cerebral manifestou-se por sensações dolorosas ao engolir, dificuldade de movimentos com a língua, bem como função prejudicada dos músculos faciais ou sua paresia.

Se o cerebelo estiver danificado, náuseas, vômitos, espasmos na nuca e no nistagmo podem ser adicionados aos sintomas acima.

Câncer cerebral: sintomas e sinais de dano no lobo temporal

Um ou ambos os lobos temporais afetados por um câncer podem causar agnosia auditiva e transtorno mental no paciente (o paciente não consegue entender o que é dito, escrever sob ditado, ler, sua fala é perturbada). A presença de um tumor nesses lobos também causa amnésia, medo e excitação irracionais. O paciente pode ficar deprimido.

Sinais de câncer no cérebro, neste caso, podem ser manifestados por fortes dores de cabeça, distorções do paladar e sensações olfativas. Os pacientes são frequentemente atormentados por síncope não razoável.

As lesões das divisões mediais na região temporal também podem se manifestar na forma de distúrbios afetivos, como exaltação ou melancolia sem causa, assim como o estado de "déjà vu".

Sinais de um tumor na região occipital do cérebro

Com a derrota da parte occipital, sinais indicativos de câncer do cérebro aparecem, em regra, na deficiência visual, já que é aqui que os centros corrigem suas funções. Então, se um paciente tiver uma perda aguda de dioptrias em qualquer olho, em combinação com outros sintomas ansiosos, ele precisa ser examinado.

Mas a agnosia (uma violação do processo de reconhecimento) pode se juntar à deterioração da visão, isto é, uma pessoa deixa de reconhecer cores, letras ou objetos. O distúrbio do reconhecimento de letras, por sua vez, causa uma violação da letra.

Separadamente, você pode mencionar a violação da orientação na sala ou na rua, problemas no uso de esquemas, mapas ou horas.

No caso de uma lesão da parte parieto-occipital do cérebro na fronteira com os lobos temporais, o paciente também tem uma violação de recordar palavras que denotam objetos.

Sintomas de dano ao lobo parietal

Sinais de câncer no cérebro com a derrota do lobo parietal, responsável pela percepção e reprodução da fala, o paciente manifestou-se em violação dessas funções (a chamada afasia).

Além disso, um distúrbio de coordenação de movimentos é detectado, o paciente não consegue identificar o objeto pelo toque. Isso é causado pela derrota dos campos corticais secundários no lobo mencionado do cérebro, o que leva a uma quebra na capacidade de analisar as sensações que fluem no córtex do lobo parietal quando tocadas, bem como enfraquecer a ideia da imagem tátil do sujeito. Na medicina, essa condição é chamada astereognosii.

A propósito, os primeiros sinais de câncer cerebral no lobo parietal também podem se manifestar como uma violação do conceito do próprio corpo - seu “padrão”, que às vezes é expresso em um sentido enganoso de ter vários membros ou a mão de outra pessoa, bem como um aumento ou diminuição em alguma parte do corpo.

Como os lobos frontais aparecem

A parte frontal do cérebro regula o intelecto, controla o processo de executar uma ou outra ação, bem como a capacidade de uma pessoa tomar decisões. Portanto, um tumor de diferentes partes deste lobo cerebral pode afetar imediatamente o estado mental do paciente.

Estas podem ser, por exemplo, as chamadas permissões motoras (o paciente não pode parar a tempo e continua a executar alguma ação). Assim, quando solicitados a desenhar um círculo, uma pessoa que tenha câncer no cérebro (sinais de danos em sua parte frontal) atrairá um monte de círculos. O processo de escrita também será um problema para ele, especialmente no caso de escrever cartas consistindo de elementos homogêneos (por exemplo, a expressão "máquina de Mishina").

O discurso desse paciente é muito empobrecido, torna-se silencioso e, às vezes, pelo contrário, é muito detalhado. Muitas vezes, o estado emocional de uma pessoa torna-se inadequado, caracterizado por agitação psicomotora. Além disso, o paciente pode ficar desorientado no tempo, em sua localização e até em sua própria personalidade.

Mais algumas palavras sobre sintomas do câncer cerebral

O número de pacientes diagnosticados com câncer no cérebro, os sintomas, os sintomas que consideramos no artigo, aumentam a cada ano em um terço. A razão para isso pode ser uma má hereditariedade e a influência de condições ambientais severas. Mas não importa o que cause o desenvolvimento de uma neoplasia maligna, a pessoa não pode ignorar os sinais de sua aparência.

Não tolere uma dor de cabeça constante! E preste atenção especial se:

  • A dor de cabeça é especialmente grave, prolongada e intensa,
  • a dor é acompanhada por alguns outros sintomas (náuseas, vômitos, perda da visão, alterações na audição, comprometimento da coordenação),
  • a dor é expressa apenas em um lado da cabeça e dura pelo menos duas semanas.

Além disso, você não deve parar na consulta com um médico. Se você suspeitar que o diagnóstico foi insuficiente ou superficial, entre em contato com outro especialista. Nesses casos, é sempre melhor estar seguro, porque só então o câncer cerebral, cujos sintomas e sinais você já conhece, não será uma sentença para o paciente!